Sartre e a condição humana

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Sartre e a condição humana

Mensagem por Lewis K. em Sab 17 Set 2011, 20:58

A existência precede a essência: a condição humana em Sartre

Evaldo Rosa de Oliveira

Introdução
O filósofo francês Jean-Paul Sartre não escreveu apenas ensaios, romances e peças de teatro, mas também obras filosóficas. Sua filosofia consiste em colocar o homem como responsável por todos os seus atos. Lançado em um mundo sem justificativa, o indivíduo projeta-se no futuro, escolhe um sentido para sua vida, já que ela não possui um sentido a priori.
O existencialismo de Sartre está inteiramente estruturado no princípio filosófico de que no homem a existência precede a essência, e esta é construída através da liberdade responsável que o homem manifesta ao escolher sua própria vida. Em sua obra, Sartre não deu uma importância excessiva ao problema religioso, pois não estava preocupado em discutir acerca da existência ou não existência de Deus. Nada, nem mesmo Deus, pode justificar o homem ou retirá-lo de sua liberdade total e absoluta, ou ainda salvá-lo de si mesmo. No presente texto, busca-se fazer uma análise da compreensão que Sartre tem acerca do homem.
A existência precede a essência
O conceito “existencialismo” começou a ser usado depois da I Guerra Mundial, com a finalidade de designar um amplo movimento filosófico e teve repercussões em diferentes campos, dentre eles o artístico, o religioso, o ético e o social. É chamado de existencialismo porque seus grandes expoentes interessaram-se fundamentalmente pelo problema da existência humana (MOREIRA, 2003: 337). Conforme o próprio Sartre afirma, o termo existencialismo é empregado de maneira diversa. Alguns pintores, jornalistas e outros grupos foram chamados de existencialistas. A palavra foi associada na época a uma literatura rebelde e solitária. Porém o existencialismo se ocupa dos problemas do homem, chamados “existenciais”, tais como o sentido da vida, da morte, da angústia, da dor etc. A definição mais clara sobre a concepção de homem em Sartre se dá em uma conferência por ele proferida primeiramente em Paris (1946), a qual depois foi repetida privadamente e intitulada O Existencialismo é um humanismo.
Tal conferência foi motivada pela necessidade que Sartre teve em responder as críticas de marxistas e cristãos acerca do existencialismo. Para os marxistas, o existencialismo coloca o homem na condição de desmotivado para agir, desolado, além de acusá-lo de afastar o homem da solidariedade. Acusam-no de um quietismo de desespero e de por fim a uma filosofia contemplativa, pois para Sartre, a mesma nos reconduz a uma filosofia “burguesa”, isto é, ao luxo.
Há dois tipos de existencialismos: o cristão, no qual se destacam Jaspers, Gabriel Marcel e Kierkegaard; e o ateu, representado por Heidegger (embora ele mesmo não o considere) e o próprio Sartre. Tanto uma corrente como a outra comungam de um princípio fundamental: a existência.
Em seu ensaio O Existencialismo é um Humanismo, Sartre usa como exemplo um objeto fabricado para explicar o princípio de que “a existência precede a essência”:
Consideremos um objeto fabricado, como por exemplo, um livro ou um corta- papel: tal objeto fabricado por um artífice que se inspirou de um corta- papel é ao mesmo tempo um objeto que se produz de uma certa maneira e que, por outro lado, tem uma utilidade definida, e não é possível imaginar um homem que produzisse um corta-papel sem saber para que há de servir tal objeto. Diremos, pois, que, para cada corta-papel, a essência – quer dizer, o conjunto de receita e de características que permitem produzi-lo e defini-lo – precede a existência: e assim a presença, frente a mim, de tal corta-papel está bem determinada. Temos pois uma visão técnica. (SARTRE, 1946: 5)
Com isso, os que acreditam em Deus criador, conceberão Deus como construtor superior, o qual confere existência às coisas, modelando-as segundo um conceito ou ideia pré-formada na mente, como faz o fabricante de corta papéis. Já os ateus, embora não acreditem num criador, tomam outro pressuposto: diferente das coisas, animais, o homem tem a existência precedida pela essência, o que leva Sartre a afirmar que o homem é o único ser que existe antes de sua essência. Com este argumento, Sartre nega a existência de Deus e exalta a existência humana. Sartre afirma que se Deus não existe, há pelo menos um ser no qual a existência precede a essência, o homem. Primeiro ele existe, se descobre, surge no mundo e só depois irá se definir, ou seja, primeiramente ele é “nada”, só depois será e o será conforme se fizer, de acordo com o que tiver projetado. Com essa ideia, entende-se que o homem é condenado a ser livre.
A essência do homem vem de suas escolhas. Quando ele é “jogado” no mundo não tem essência, ele é não-ser, ou seja, ausência de ser. Paulatinamente ele vai tomando consciência de sua existência e do grande desejo dele ser, mas ser é acabado, realizado. Caso o homem fosse isso ele seria uma coisa, ou seja ser Em-si. E diferente das coisas que são em si, ou seja, já estão prontas, dadas e acabadas como acontece com a pedra, a mesa e tantos outros. No homem acontece diferente, porque no momento em que ele é “jogado” no mundo ele começa a se construir, ou seja, o homem é uma eterna indeterminação.
É importante destacar que o ser Em-si é entendido como qualquer objeto existente no mundo e que possui uma essência definida. Um livro, por exemplo, é um objeto criado para suprir uma necessidade: a leitura. Um ser Em-si não tem potencialidades nem consciência de si ou do mundo. Apenas é. Já o ser Para-si, consciência humana, é um tipo diferente de ser, por possuir conhecimento a seu próprio respeito e a respeito do mundo, e é justamente isto o que o difere dos demais seres. O Para-si não tem uma essência definida.
O homem é antes de qualquer coisa um projeto* que se vive subjetivamente, nada existe anterior a este projeto. Ele será o que ele tiver projetado e não o que ele quiser ser. Para isso, é necessário destacar que há dois tipos de subjetivismo: a escolha do sujeito individual por si só; e o outro a impossibilidade para o homem superar a subjetividade humana (SARTRE, 1946: 6).
Ao afirmar que o homem escolhe a si próprio, entende-se também que o homem escolhe todos os homens. Pois, segundo Sartre, não há nenhum dos atos que ao se criar o homem que ele deseja ser, não se crie também uma imagem do homem conforme ele julga que deva ser. Portanto, o homem nunca pode escolher o mal, pois mesmo o mal sendo escolhido, seria um bem (SARTRE, 1946: 5). A situação do homem existencialista, que não tem um Deus para se apoiar, mas ao contrário, tem a responsabilidade de sozinho se realizar e se construir, é a de alguém que se depara com a angústia, o desespero e o desamparo.
Angústia
O existencialismo chega a afirmar que o homem é angústia, mas não no sentido sombrio e triste da vida humana. Isso significa que, reconhecendo-se livre, ele percebe que não é apenas o que escolheu ser, mas também um legislador, que ao escolher escolhe também toda a humanidade. O indivíduo se angustia porque se vê numa situação em que tem de escolher sua vida, seu destino, sem buscar apoio ou orientação de ninguém (SARTRE, 1946: Cool. Com isso, o homem percebe o tamanho de sua responsabilidade e se angustia, pois ao mesmo tempo ele está escolhendo só por si e também por toda a humanidade. Mesmo aqueles que não mostram angústia ou dizem não sofrê-la, experimentam tal condicionamento.
O existencialismo não tem pejo em declarar que o homem é angústia. Significa isso: o homem ligado por um compromisso e que se dá conta de que não é apenas aquele que escolhe ser, mas de que é também um legislador pronto a escolher, ao mesmo tempo que a si próprio, a humanidade inteira, não poderia escapar ao sentimento da sua total e profunda responsabilidade. (SARTRE, 1946: 7)
O homem não pode deixar de ter na decisão que tomar, uma certa angústia. Segundo Sartre, todos os chefes a conhecem, o que não os impede de agir, mas ao contrário é condição de sua ação. Ao escolher uma possibilidade dentro da pluralidade possível, o homem se dá conta de que ela só tem valor por ter sido escolhida (SARTRE, 1946: Cool.
Desamparo
Outra condição em que o homem se encontra é a de desamparo, a qual se dá pelo fato de ele ter que escolher a vida e seu destino, sem nenhum apoio ou orientação de outrem. O homem existencialista se encontra desamparado, pelo fato de não haver mais desculpas para ele. Porque, se é livre, projeto de si mesmo, autor de seu destino, ele é inteiramente responsável por si mesmo (NOGARE, 1977: 146). Percebe-se que o homem existencialista não tem mais em quem colocar suas desculpas, mas se encontra em condição de liberdade, ele está condenado a ser livre. Uma vez lançado no mundo, ele será responsável por tudo que fizer, o que o faz se sentir desamparado.
Sartre retoma Dostoievski, o qual dissera: “se deus não existisse, tudo seria permitido” (apud SARTRE, 1946: 9), e é aí que se encontra o ponto de partida para o existencialismo. Com efeito, tudo é permitido, se Deus não existe, o homem fica abandonado, pois não encontra em si nem fora de si um apoio, não tem a quem se apegar, e se vê obrigado a contar apenas com seus próprios recursos. Nesta condição, o homem não pode contar com nenhuma humanidade, nenhum partido, nenhum companheiro que possa ajudá-lo, mas única e exclusivamente consigo próprio, isto é, com suas próprias forças.
Desespero
A última condição na qual o homem se encontra é a de desespero pelo fato dele se sentir desamparado. Desespero para Sartre é “agir” sem esperança.
Quanto ao desespero, esta expressão tem um papel extremamente simples. Quer ela dizer que nós nos limitamos a contar com o que depende da nossa vontade, ou o conjunto das probabilidades que tornam a nossa ação possível. Quando se deseja uma coisa, há sempre uma série de elementos prováveis (…) a partir do momento que as possibilidades que considero não são rigorosamente determinadas pela minha ação, devo desinteressar-me porque nenhum Deus, nenhum desígnio pode adaptar o mundo e seus possíveis a minha vontade. No fundo quando Descartes dizia: ‘vencemos-nos antes a nós do que ao mundo’, queria significa a mesma coisa agir sem esperança. (SARTRE, 1946: 12)
Segundo Sartre, censuram o existencialismo não pelo seu pessimismo, mas sim pela dureza otimista, com a qual demonstra o homem como realmente ele é, com suas grandezas e pequenez. “A doutrina que vos apresento”, diz Sartre, “é justamente a oposta ao quietismo visto que ela declara: só há realidade na ação; e vai aliás mais longe, visto que acrescenta: o homem não é senão o seu projeto, só existe na medida em que se realiza, nada é portanto, nada mais que o conjunto de seus atos, nada mais do que a sua vida” (SARTRE, 1946: 13).
Conclusão
O homem sartreano é aquele que está por fazer-se, não tem valores que o precedem. Ao mesmo tempo em que Sartre parte do pressuposto de que Deus não existe, o homem é elevado de tal forma que se torna quase um “semideus”, auto-suficiente, capaz de criar sua própria essência.
Sartre procura refletir em sua filosofia o homem que sobreviveu à Segunda Grande Guerra e que tem diante de si a necessidade de pensar a partir de si mesmo. Afirmar que a existência precede a essência, não é simplesmente suprimir Deus. Dizer que a existência precede a essência é colocar o homem como um “nada” lançado no mundo, desprovido de uma definição. O homem surge no mundo e, de início, não é nada; só posteriormente será alguma coisa e será aquilo que ele fizer de si mesmo. Ora, isso implica também o fato de que o homem só se faz num constante projeto, num incessante lançar-se no futuro. Somente assim o homem irá se definir como ser existente e consciente de si mesmo. Lançado no mundo sem perspectivas pré-determinadas, o homem determina sua vida ao longo do tempo e descobre-se como liberdade, ou seja, como escolha de seu próprio ser no mundo. Eis a origem da angústia, do desamparo e do desespero.
Referências
ARANHA, Maria Lúcia Arruda & MARTINS, Maria Helena Pires. Filosofando: introdução à filosofia. São Paulo: Moderna, 1992.
COLLINSON, Diané. 50 grandes filósofos: da Grécia ao século XX. Trad. Maurício Waldman e Bia Costa. São Paulo: Contexto, 2004.
MOREIRA, Joselito Adriano. O homem existencialista em Sartre. In: Ensaios: nosso modo de pensar. Mariana: Dom Viçoso, 2003.
NOGARE, Pedro Dalle. Humanismos e anti-humanismos: introdução à antropologia filosófica. Petrópolis: Vozes, 1977.
SARTRE, Jean-Paul. O existencialismo é um humanismo. Trad. Vergílio Ferreira. São Paulo: Abril Cultural, 1978 [1946]. (Os Pensadores)
TELES, Antônio Xavier. Introdução ao estudo de filosofia. São Paulo: Ática, 1991.
VVAA. Enciclopédia Luso-Brasileira de Cultura. Lisboa: Verbo, 1991.
avatar
Lewis K.

Feminino Mensagens : 332
Idade : 21

Ver perfil do usuário http://portalhf.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sartre e a condição humana

Mensagem por Lewis K. em Sab 17 Set 2011, 20:59

JEAN-PAUL SARTRE



VIDA

Uma figura sardenta, esquisita e cuja vesguice se postava atrás de um pesado par de óculos. Assim poderia ser descrita a aparência de uma das mentes mais brilhantes e mais populares do século vinte. Jean-Paul Sartre, nasceu em berço burguês, a 21 de junho de 1905, na cidade de Paris, um ano antes da morte de seu pai, um jovem oficial da marinha, que morreu vitimado por uma febre. Segundo o próprio Sartre, fora esse o maior acontecimento de sua vida " Se tivesse vivido, meu pai teria desmoronado sobre mim e me esmagado"[i]. O filósofo afirmava que graças à ausência da figura paterna, crescera sem superego, portanto livre de agressividade ou desejo de dominação.
Parece que sua primeira infância foi um período feliz, em que desfrutou do carinho dos avós maternos, em cuja residência ele e sua mãe foram morar, e do companheirismo materno, que tornava a relação de ambos mais próxima à de irmãos, do que de uma relação entre mãe e filho. A figura do avô materno, ou a de seu futuro padrasto, não marcariam a sua vida tanto quanto a figura materna, que se perpetuaria na figura de Simone de Beauvoir, sua companheira de toda a vida. Para sua mãe produziria uma infinidade de histórias de capa e espada, já a partir dos dez anos de idade, quando sua genialidade passou a ser percebida.
Quando tinha doze anos de idade, sua mãe se casa com Joseph Mancy, para horror de Sartre, que deixaria de ser o foco das atenções de Anne-Marie. O padrasto representaria para Sartre, uma espécie de tipo ideal de representação tanto do padrasto malvado, quanto da burguesia que tanto enojaria Jean-Paul Sartre.
A personalidade do pequeno Sartre foi aos poucos se caracterizando por uma inteligência aguda e um egoísmo de tal resistência que o conduziria a uma total independência mental. Viveu a adolescência própria dos meninos prodígio, feio e com "cara-de-sapo", era ao mesmo tempo "gênio e bode expiatório da turma"[ii] e alvo constante das chacotas e maldades típicas da adolescência.
Mas, ao que consta não se tratava de nenhum anjinho. Sartre possuía, nesse período, uma vocação especial para cometer asneiras - da divulgação de aventuras sexuais fictícias aos constantes assaltos à bolsa materna, com o intuito de financiar a aceitação dos colegas à custa de doces e da freqüência aos cafés da provinciana La Rochelle. Uma vez descobertos os delitos domésticos, a tensão em casa do padrasto chegou a tal ponto, que Sartre decidiu voltar a Paris. Com 15 anos nessa época, torna-se aluno interno do Liceu Henrique IV.
Nessa época aflorou em Sartre o gosto pela leitura, que em geral estava acima tanto de sua capacidade psicológica quanto intelectual. Afloram também os seus escritos, inúmeros cadernos contendo novelas, aforismos e especulação filosófica, numa "excessiva elaboração de idéias pouco claras"[iii].
Aos 19 anos, aprovado no exame do ensino secundário, Sartre garante sua vaga no curso de filosofia da Escola Normal Superior. Entre os seus contemporâneos Maurice Merleau-Ponty, Claude Lévi-Strauss, Simone Weil e Simone de Beauvoir. Este ambiente foi a estufa de sua genialidade. Segundo Simone de Beauvoir "a não ser quando está dormindo, ele pensa o tempo todo"[iv]. Em seu cinismo e falta de modéstia chega a afirmar de si: "Eu era mil Sócrates"[v].
Seu intelecto o torna atraente para mocinhas iludidas, o lhe permite superar a feiúra notória e prosseguir como um bonvivent, insaciável em sua fome de conquistas sexuais e em sua sede de cerveja, só superadas por sua gana por livros e conhecimento. "Ele lia tudo, exceto o que era necessário para o curso que fazia"[vi], o que lhe atrasou em um ano a graduação, embora esse fato não ofuscasse seu brilho.
Nesta fase Sartre renunciou a hábitos burgueses como o de tomar banho e passou a fumar cachimbo, era visto nos cafés do Quartier Latin em animadas rodas de discussão filosófica, da qual não ousaria se aproximar quem não possuísse algo realmente inteligente a dizer. Nota honrosa é creditada à jovem Simone de Beauvoir, com 21 anos à época e que logo provou garantir-se em meio àqueles jovens filósofos.
Em Simone de Beauvoir, Sartre recuperou a figura irmã-mãe de sua infância. Os dois logo se tornaram amantes, desenvolvendo uma relação que envolvia reciprocidade de críticas agudas e profundas, bem como de conselhos práticos. Ele se torna seu guru intelectual e (péssimo) conselheiro de moda, ao passo que ela o convence a tomar banho, trocar de camisa e passar pomada nas espinhas, enquanto o demole com críticas penetrantes e honestas. Estes primeiros tempos dariam pistas de que esse relacionamento seria duradouro. Os amantes passam então a estudar, ler e discutir. Quando chega a época dos exames de graduação, o primeiro lugar é ocupado por Sartre, seguido por Simone de Beauvoir e pelo restante da futura geração de intelectuais franceses.
Após o período de estudos os dois intelectuais têm que enfrentar a vida real. Simone de Beauvoir passa a lecionar e Jean-Paul Sartre presta serviço militar. A relação dos dois é definida em termos de liberdade e transparência. Sartre definiria a relação em termos kantianos, inspirando-se na distinção entre verdade necessária e verdade contingente. Segundo ele, sua relação com Simone seria necessária, ao passo que os romances com outras mulheres seria contingente. O pacto relacional incluía lealdade absoluta de um para com o outro: contariam tudo que lhes acontecesse, inclusive os casos contingentes.
Este tipo de relacionamento na Europa dos anos 20, certamente foi motivo de escândalo, pois Simone e Sartre saíram audaciosamente da privacidade, se constituindo uma inspiração para intelectuais de décadas seguinte. Durante os dezoito meses em que Sartre serviu ao exército, os dois se encontravam aos finais de semana, quando discutiam seus pensamentos.
Sartre seguiu destruindo tudo que se conhecia em termos de filosofia, até então. Descartes estava errado, Kant era inadequado, Hegel não passava de um burguês. Chegou a fascinar-se por Freud, mas logo reagiu, reivindicando a autonomia da mente negada pela psicanálise. Em face da fenomenologia de Husserl, finalmente Sartre julga encontrar uma filosofia do sujeito, que daria conta da realidade, levando em conta a liberdade do indivíduo.
Em 1933 parte para Berlim, afim de estudar a filosofia que ele chamaria informalmente de existencialismo. A origem do termo remontava a SÆren Kierkgaard, filósofo dinamarquês do século XIX, que afirmava ser o "indivíduo existente" a única base para uma filosofia significativa. Ele sustentava que deveríamos nos sustentar na especificidade da experiência e na sua natureza essencialmente individual, afim de percebermos nossa verdadeira liberdade.
Em 1934, de volta a Paris, Sartre começa a redigir suas investigações fenomenológicas e, persuadido por Beauvoir, transforma suas anotações no romance que viria a se transformar em A Náusea (publicado em 1938) um romance filosófico, nem abstrato, nem didático, que visa evocar a própria sensação da existência - um mergulho na consciência.
De fato, A Náusea e O Muro (coletânea de contos, lançados no mesmo ano) seriam recebidos com aclamação crítica, transformando Sartre na mais promissora figura literária da Rive Gauche. Em 1939 publica O esboço de uma teoria das emoções, que aumenta seu prestígio intelectual, embora não tenha sido recebida com tanto entusiasmo.
Esse período coincide com a iminência da Segunda Guerra, sobre a qual Sartre afirmava se tratar de "um blefe de Adolf Hitler"[vii]. Por haver estado em Berlim, afirmava conhecer o estado de espírito do povo alemão, duvidava que Hitler entrasse em guerra. Vinte e quatro horas depois, Hitler invadiria a Polônia e Sartre seria convocado pelo exército francês.
"A Guerra dividiu a minha vida em duas"[viii], afirmaria um Sartre que teve toda a sua percepção transformada pelo evento da guerra. Curiosamente enquanto servia ao exército francês numa estação meteorológica, dedicava-se à leitura de Heidegger. A impenetrável metafísica do alemão absorveu Sartre completamente, pois ele visava escrever uma obra de filosofia realmente grande.
Sob a luz (ou trevas?) da guerra, o pensamento existencialista de Sartre evoluiu rapidamente. Lançando suas raízes tanto para o empirismo de Hume, quanto para o racionalismo de Descartes, mostrando todas as suas implicações. Desenvolve com radicalidade o conceito da liberdade humana, ante o absurdo. O existencialismo mergulha a filosofia na ação, tornando-se quase uma estratégia de vida.
Quando Sartre se torna prisioneiro do exército alemão, prossegue com seu programa de leituras de Heidegger, em sua terra natal. Ele possuía a chave que levaria o existencialismo a dar o passo seguinte à Fenomenologia de Husserl. A noção da certeza última firmada no daisen (ser-aí) e não no conhecimento, expressa em sua obra "Ser e Tempo", possui conceitos até hoje indecifráveis, cheios de seriedade e profundamente germânicos. Sartre compreendeu que a profunda análise heideggeriana do ser deveria se desviar do pensamento para a ação, retorna a Kierkgaard e à Paris.
Sua libertação se dá por motivos humanitários e graças a um atestado médico falso que conseguira comprar. Em 1941, na triste Paris ocupada pelos nazistas, Sartre recupera seu emprego de professor, aluga um apartamento próximo ao de Beauvoir e se põe a escrever sua obra-prima "O Ser e o Nada", publicada em 1943.A obra causou grande impacto nos círculos filosóficos da França, varrendo os cafés do Quartier Latin e a Rive Gauche, popularizando os lemas niilistas do existencialismo.
Quando a guerra termina, em 1945, o cenário de uma Europa destruída, se torna o pano de fundo propício à compreensão da filosofia existencialista, pois ela falava daquela situação absurda na linguagem do momento. A França, humilhada e carente de heróis, elegeu Sartre o ícone de sua resistência cultural. Chegou mesmo a escrever um livro que explicasse o existencialismo em termos mais acessíveis( O existencialismo é um humanismo - 1946), em razão da demanda popular.
O existencialismo e Sartre se tornaram então, produto francês, tipo exportação. Ambos alcançaram fama em toda a parte. Mas Sartre não se vendeu aos conceitos burgueses de fama e sucesso. Fazia questão de ser imprevisível. Escrevia, escrevia e escrevia, chegando a apelar para a "vida química", que lhe proporcionava a comodidade de manter-se ligado, e desligar-se quando não houvesse mais forças. (Sartre precedeu a Aldous Huxley no uso da mescalina). Nesse caso Simone o levava de férias, ao tempo que Sartre entretinha alguma jovenzinha deslumbrada por seu intelecto.
Seu pensamento continua em evolução. Entende que a liberdade do indivíduo, embora seja uma atitude sustentável em termos de filosofia, dificilmente seria plausível em termos sociais. Em O existencialismo é um humanismo, a compreensão sartriana da liberdade individual se estabelece em termos de responsabilidade social, de engajamento. Isso somado à sua natural antipatia pela burguesia, o aproximou do socialismo, embora ele não de admitisse marxista. Porém em 1952, Sartre torna-se marxista, afirmando que "o marxismo reabsorveu o homem na idéia, e o existencialismo o procura por toda parte onde ele esteja - no trabalho, em casa, na rua"[ix]. Não ingressou em nenhum partido, pois seu individualismo não o permitiria.
Suas relações com o marxismo se delinearam teoricamente na obra Crítica à Razão Dialética(1960), refletindo em muito o historicismo marxista, cuja crítica determinista do desenvolvimento da civilização e a dialética o atraem intelectualmente.
Em 1964 é agraciado com o Prêmio Nobel de Literatura, ao qual rejeitou, afirmando que "o escritor não se deve deixar transformar pelas instituições"[x]. Sua revista Les Tempes Modernes, tornou-se sua voz na França e no mundo, nela Sartre faz pronunciamentos sobre fatos contemporâneos. Os extremistas de direita queriam sua morte, a polícia sua prisão, mas ele tinha no general DeGaulle um aliado que afirmava ser Sartre um grande homem da história e ainda, que não se poderia "prender Voltaire".
A década de 70 é marcada pelos problemas de saúde, preço que teve que pagar por sua opção de "vida química". Assistido de perto por Beauvoir e por um séquito de jovenzinhas existencialistas, Sartre ficava cada vez mais debilitado. Falece em 15 de abril de 1980, aos 74 anos.
Seu enterro foi um acontecimento que atraiu quase 25 mil pessoas. O cortejo percorreu o Quartier Latin e a Rive Gauche, lugares marcantes de sua vida, onde produziu, viveu e de onde concebeu o pensamento que seria de toda uma geração. Movimentos radicais em todo o mundo inspiraram-se em seus escritos, embora suas leituras sobre os fatos continuassem mais como idéia do que como realidade. "Aí estava de fato, uma existência fútil num mundo absurdo".

OBRA[xi] (Nome da Obra - Data de publicação)
Obras filosóficas: A Imaginação(1936) - A transcendência do Ego(1937) - O Imaginário(1940) - O Ser e o Nada(1943) - O existencialismo é um humanismo (1946) - Crítica da Razão Dialética(1960) - O idiota da família(1971) - Anotações para uma moral(1983)
Ensaios: São Genet, comediante e mártir(1952) - Questão de método(1960)
Romances e Contos: A náusea(1938) - O muro(1939) - A idade da razão(1945) - Sursis(1945) - Com a morte na alma(1949)
Teatro: As moscas(1943) - Entre quatro paredes(1945) - Mortos sem sepultura(1946) - A prostituta respeitosa(1946) - As mãos sujas(1948) - O diabo e o bom Deus(1951) - Os seqüestrados de Altona(1960)
Autobiográficas: As palavras(1964) - Diário de uma guerra estranha(1983)



A QUESTÃO DE DEUS EM SARTRE

Em entrevista dada a Simone de Beauvoir em agosto/setembro de 1974, Sartre é por ela perguntado acerca da vida além da morte, questionando o filósofo, se nunca houvera sido tocado por essa idéia ou pela idéia de um princípio espiritual inerente ao ser humano. Ao que ele responde "Parece-me que sim , mas como um fato quase natural (...) Todo o futuro que imaginamos na consciência remete à consciência".[xii] Toda a questão aparece permeada pelo primado da subjetividade, do ser que se estabelece no nada da consciência.
Seu ateísmo nascera a partir de um insight precoce, ainda na adolescência. Segundo Sartre, suas relações com Deus, que nunca se estabeleceram na perspectiva de sujeição ou de compreensão, não passavam de relações de boa vizinhança. Chega a declarar sua presença num certo dia em que ateara fogo na casa, como um olhar que eventualmente pousara sobre ele.
Por volta dos seus doze anos, na cidade de La Rochelle, envolvido em situações corriqueiras da infância, subitamente lhe ocorreu o pensamento de que Deus não existia. Sartre afirma não saber exatamente de onde surgira tal idéia ou como nele se instalara, mas o fato é que, a partir de então aquela pequena intuição o acompanharia, quase como uma certeza, "uma verdade que me surgira com evidência, sem nenhum pensamento prévio (...) um pensamento que intervém bruscamente, uma intuição que surge e determina a minha vida"[xiii]. Notável é também o fato de que um pensamento surgido aos onze anos o levasse a nunca mais perguntar acerca desta questão.
Sua ida para Paris, segundo ele, fortificou a sua posição efetuando a transição de um ateísmo idealista para um ateísmo materialista, para ele, quando dizia, "Deus não existe", se desfazia de uma idéia que estava no mundo, colocando em seu lugar um nada espiritual, era uma grande idéia sintética que desaparecia e que levaria Sartre a um pensamento diferente acerca do mundo. Para ele, "a ausência de Deus era visível em todos os lugares"[xiv].
Pensar o seu próprio ser, no mundo e fora dele, e o mundo sem Deus, parecia a Sartre um empreendimento novo, já que não se encontrava, na época da Escola Normal, a par dos escritos ateus, e uma vez que "uma grande filosofia atéia, realmente atéia, não existia na filosofia. Era nessa direção que era preciso agora tentar trabalhar."[xv] Seu desejo era o de fazer uma filosofia do homem, num mundo material.
O existencialismo ateu de Sartre é afirmado por ele como estrutural e parte de sua constituição cultural. O problema de Deus atravessa toda a obra de Sartre, contudo mais em nível intelectual e teórico do que em nível de vivência. O ateísmo Sartre é efetivamente difundido em sua obra "O Ser e o Nada", em outros escritos como "Anotações para uma Moral", existe uma forte filosofia atéia , orgânica e muito bem exposta. "Ainda na metade dos anos 70, Sartre dirá que L'être et le néant ("O Ser e o Nada") continha uma exposição das razões de sua rejeição à existência de Deus: mas não eram aquelas as razões autênticas de seu ateísmo. O seu ateísmo (...) fora uma intuição de seus doze anos e não podia ser reduzida a uma discussão de teses filosóficas sobre a impossibilidade da existência de Deus"[xvi].
Em A cerimônia do Adeus, Sartre apresenta Deus como um ser na direção do qual tende a realidade humana e que é ele mesmo o coração dessa realidade: Deus é a realidade humana como totalidade. Dessa nascente surge a idéia do nada espiritual, da idéia ausente. Influenciado por Feuerbach, Sartre afirma que "a alma humana é apenas o rastro imperfeito dos esse, nosse, velle perfeitos de Deus". Em suma, "o homem é o ser que projeta ser Deus"[xvii]. "Ser homem é tender a ser Deus: ou caso se prefira, o homem é fundamentalmente desejo de ser Deus"[xviii] A consciência é remetida não à inexistência de Deus, mas se ele pode ser realizado.
Na verdade o ateísmo é uma relação com Deus, fruto de uma conversão filosófica, pois a própria crença em Deus é devida à condição humana e não aos condicionamentos histórico-sociais. Em acordo com Marx, Sartre afirma o sentimento religioso como um álibi e uma fuga da própria condição humana, pois para o homem existe sempre uma luta a travar contra a ilusão transcendental que é a relação com Deus. Invertendo o mito de Cristo, de um Deus que se sacrifica para que o homem viva, na verdade é o homem que perpetuamente se sacrifica em prol da existência de Deus. "Sacrifício inútil e prejudicial" [xix]
O existencialismo de Sartre conduz ao desespero, pois nele o ser humano encontra-se sozinho, abandonado, independente. Em Anotações para uma Moral Deus é a categoria para todas as alienações, é a hipótese de objetivação do homem.

A Imaginação

Quando um objeto inerte é observado, sua forma, posição e cor podem ser percebidos, essa percepção revela uma existência passível de constatação que entretanto independe do observador para existir, é o que Sartre chama de a existência em si. Uma existência que se dá de forma alheia às minhas “espontaneidades conscientes” 20 ,trata-se de uma coisa, algo que não existe para si mesmo. Existir na posse da consciência da própria existência.
Sartre no texto “A Imaginação” destaca a diferença entre a existência como coisa e a existência como imagem. Há coisas que ao observarmos já o fazemos com uma lente que nos mostra não o que a coisa é, mas o que dela temos em nossa consciência. A transformação da imagem de uma coisa na própria coisa é chamada de “metafísica ingênua da imagem”.
Em suma, a obra “A Imaginação” discorre sobre o que é próprio da imaginação, o que faz parte de sua natureza e questiona o conceito de imagem. Apresenta as concepções de vários pensadores e psicólogos e conclui que imagem não é uma coisa mas um ato, ela trata-se da consciência de uma coisa e não da coisa em si mesma.

O Diabo e o Bom Deus

“(...) Supliquei, pedi um sinal, enviei mensagens ao Céu: nenhuma resposta. O Céu ignora até o meu nome. Eu me perguntava, a cada minuto, o que eu poderia ser aos olhos de Deus. Agora, já sei a resposta: nada. Deus não me vê, Deus não me ouve, Deus não me conhece. Vês este vazio sobre nossas cabeças? É Deus. Vês esta brecha na porta? É Deus. Vês este buraco na terra? É Deus ainda. A ausência é Deus. O silêncio é Deus. Deus é a solidão dos homens. Eu estava sozinho: sozinho, decidi o Mal; sozinho inventei o Bem. Fui eu quem trapaceou, eu quem fez milagres, eu quem se acusa, agora, eu, somente, quem pode absolver-me. Eu, o homem. Se Deus existe, o homem nada é; se o homem existe... para onde vais? 21
Nesta peça teatral Sartre utiliza-se do diálogo que traduz-se num meio deveras interessante da transmissão de uma mensagem que é ao mesmo tempo crítica e realista. O texto traz consigo uma estória que provavelmente se dá na Idade Média, Alemanha. Período esse marcado por uma presença forte da Igreja Cristã (Católica) principalmente do clero, de militares, de uma pequena população urbana, de uma boa quantidade de campesinos, de pobres, de meretrizes, de profetas, anjos, demônios e, logicamente do Diabo e do Bom Deus.
É por demais fascinante a maneira com que Sartre desenvolve sua peça bem como a precisão e inteligência com que coloca as frases dos personagens.
Numa epítome é possível tornar explícita a questão de Deus bem como do Bom Diabo, ou melhor, do Diabo, do Bem e do Mal, da seguinte forma: tanto Deus quanto o Diabo nesta peça são sinônimos do poder para matar, ordenar, amar, roubar, legitimar, vingar etc. Nobres, religiosos, militares, pobres, doentes, marginalizados enfim, todos procuram se apoderar de Deus, que é o Bem, para defenderem os seus interesses e legitimarem suas ações. Contudo seus intentos e atos, parece que na maioria das vezes, são carregados de anseios particulares com vistas ao benefício próprio. Benefícios esses que favorecem o detentor de Deus–Bem, porém são maléficos (Diabo–Mal) para todos aqueles que sofrem para que um se beneficie. Vê-se portanto que Deus e Diabo não passam de conceitos criados a fim de legitimar o poder de uma(s) pessoa(s) sobre a(s) outra(s). (Exemplos: O Exército X luta com o Exército W, os dois assim o fazem em nome e para a glória de Deus; Vende-se indulgências para que um se salve (que é algo Bom – Deus) não vá para o inferno (O Mal–Diabo) e assim continue a fazer o seu Mal–Diabo de cada dia com aval de Deus–Bem, e o outro enriqueça por intermédio da barganha (O Mal–O Diabo) porém salve uma pobre alma do Inferno (O Mal–O Diabo); As pessoas tornam-se profetas de Deus– Bem muita vez para sua própria honra, O Diabo–O Mal). Sendo assim, o ser humano seria incapaz de viver somente com o Bem–Deus ou somente com o Mal–Diabo, ambos são necessários. Destarte, há como entender que apenas a presença única do Diabo–O Mal ou de Deus–Bem seria algo muito monótono, então é necessário os dois existirem para que o ser humano caminhe e tenha em quem jogar a culpa por seus fracassos e êxitos.

O Existencialismo é um Humanismo.

Sartre defende o existencialismo contra os católicos afirmando que esta é uma doutrina que torna a vida humana possível graças a subjetividade humana. Sartre ainda especifica a diferenciação entre as duas escolas do existencialismo, a dos existencialistas cristãos Jaspers e Marcel e os ateus Heidegger e o próprio Sartre, afirma que a única coisa que une estas duas correntes é que a existência precede a essência. Ou se preferir é necessário partir da subjetividade.
O existencialismo ateu afirma que, se Deus não existe há pelo menos um ser no qual a existência precede a essência, um ser que existe antes de poder ser definido por qualquer conceito. Este ser é o homem ou melhor a realidade humana . Isto significa que , em primeira instância , o homem existe, surge no mundo e só posteriormente se define.
O homem, tal como o existencialista o concebe, só não é passível de uma definição porque, de início, não é nada ; só posteriormente será alguma coisa e será aquilo que ele fizer de si mesmo. Assim, não existe natureza humana, já que não existe um Deus para concebê-la .
O homem é aquilo que ele mesmo faz de si, é a isto que chamamos de subjetividade. Porém, se realmente a existência precede a essência, o homem é responsável pelo que é. Desse modo, o primeiro passo do existencialismo é de por todo o homem na posse do que ele é de submete-lo à responsabilidade total de sua existência.
Ao afirmarmos que o homem se escolhe a si mesmo, queremos dizer que cada um de nós se escolhe, e também escolhe todos os homens.
O existencialista, pensa que é extremamente incômodo que Deus não exista, pois, junto com ele, desaparece toda e qualquer possibilidade de encontrar valores num céu inteligível; não pode mais existir nenhum bem a priori; já que não existe uma consciência infinita e perfeita para pensa-lo.
Se Deus não existe, não encontramos, já prontos, valores ou ordens que possam legitimar a nossa conduta. Assim não teremos nem atras nem a frente nenhuma justificativa para nossa conduta . Estamos sós , sem desculpas. É o que posso expressar dizendo que o homem está condenado a ser livre. Condenado, porque não se criou a si mesmo mas por estar livre no mundo estamos condenados a ser livres.
O existencialista não pensara nunca, que o homem possa conseguir o auxilio de um sinal qualquer que o oriente no mundo, pois é o homem quem decifra os sinais.


Fonte: http://existencialismo.sites.uol.com.br/sartre.htm
avatar
Lewis K.

Feminino Mensagens : 332
Idade : 21

Ver perfil do usuário http://portalhf.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum